Tipos de improbidade administrativa

Explico o enriquecimento ilícito, o prejuízo ao patrimônio público, a violação dos princípios da administração pública e a concessão de benefício fiscal indevido (Lei nº 8.429/1992).

Os quatro tipos existentes de improbidade administrativa constam dos arts. 9º, 10, 10-A e 11 da Lei nº 8.429/1992. Na leitura deles, você vai querer ter em mente o seguinte:

1. São exemplificativos os róis de condutas e omissões que configuram improbidade administrativa

As condutas e omissões que se configuram como de improbidade administrativa estão listadas na Lei nº 8.429/1992 de forma exemplificativa.

São as atitudes mais comuns, porém não as únicas que podem ser enquadradas como improbidade.

Como os róis são exemplificativos, uma atitude não listada na legislação pode configurar-se como improbidade administrativa mesmo que não esteja descrita com exatidão pela Lei de Improbidade Administrativa.

2. Servidores e agentes privados podem cometer improbidade administrativa

Qualquer servidor público — conceituado servidor público da forma mais ampla que você puder imaginar — pode cometer improbidade administrativa.

Agentes privados totalmente desvinculados da Administração Pública podem também cometer improbidade administrativa, mas, para isso, precisam sempre estar em conluio com um servidor público.

Agora que você sabe os parâmetros interpretativos, estude a seguir cada tipo de improbidade administrativa:

1) Enriquecimento ilícito (art. 9º, Lei nº 8.429/1992)

O enriquecimento ilícito é o aumento patrimonial do servidor ou de outra pessoa por meio do uso indevido da função pública pelo servidor ou pelo agente privado em conluio com ele.

Não pressupõe lesão ao erário.

Por exemplo: o servidor recebe dinheiro de uma empresa em troca de informações privilegiadas. O erário sai ileso; mas a troca de informações privilegiadas por dinheiro é uso indevido da função pública e configura enriquecimento ilícito.

Embora não pressuponha lesão ao erário, o enriquecimento ilícito pode provocar dano ao erário, por exemplo: se o servidor desvia para seu bolso o dinheiro público, ele terá cometido enriquecimento ilícito e lesão ao erário.

Se fosse para sintetizar, eu diria que configuram enriquecimento ilícito todas as condutas em que:

  1. o servidor execute ou deixe de executar as atribuições de seu cargo em troca de vantagem econômica, emprego, comissão, contrato (de consultoria, assessoramento, etc.) de pessoa física ou jurídica;
  2. o servidor pegue para si bens e dinheiros do patrimônio público;
  3. o servidor desvie bens e dinheiros do patrimônio público para seu proveito privado.

Mas, como nunca sabemos com que vamos nos deparar mundo afora, reproduzo abaixo os incisos do art. 9º (não é para ficar decorando isso: leia com atenção uma única vez):

I – receber, para si ou para outrem, dinheiro, bem móvel ou imóvel, ou qualquer outra vantagem econômica, direta ou indireta, a título de comissão, percentagem, gratificação ou presente de quem tenha interesse, direto ou indireto, que possa ser atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente público;

II – perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a aquisição, permuta ou locação de bem móvel ou imóvel, ou a contratação de serviços pelas entidades referidas no art. 1° por preço superior ao valor de mercado; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

III – perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a alienação, permuta ou locação de bem público ou o fornecimento de serviço por ente estatal por preço inferior ao valor de mercado;

IV – utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta lei, bem como o trabalho de servidores públicos, empregados ou terceiros contratados por essas entidades; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

V – receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou indireta, para tolerar a exploração ou a prática de jogos de azar, de lenocínio, de narcotráfico, de contrabando, de usura ou de qualquer outra atividade ilícita, ou aceitar promessa de tal vantagem;

VI – receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou indireta, para fazer declaração falsa sobre medição ou avaliação em obras públicas ou qualquer outro serviço, ou sobre quantidade, peso, medida, qualidade ou característica de mercadorias ou bens fornecidos a qualquer das entidades mencionadas no art. 1º desta lei; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

VII – adquirir, para si ou para outrem, no exercício de mandato, cargo, emprego ou função pública, bens de qualquer natureza cujo valor seja desproporcional à evolução do patrimônio ou à renda do agente público;

VIII – aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou assessoramento para pessoa física ou jurídica que tenha interesse suscetível de ser atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente público, durante a atividade;

X – perceber vantagem econômica para intermediar a liberação ou aplicação de verba pública de qualquer natureza;

X – receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou indiretamente, para omitir ato de ofício, providência ou declaração a que esteja obrigado;

XI – incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimônio bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1° desta lei; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

XII – usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1° desta lei. [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

2) Lesão ao erário (art. 10, Lei nº 8.429/1992)

A lesão ao erário é a deterioração do patrimônio público causado pelo uso indevido da função pública pelo servidor ou pelo agente privado em conluio com ele.

Não pressupõe enriquecimento ilícito.

Por exemplo: o servidor dispensa licitação indevidamente, assim permitindo a compra direta de um produto e provocando comprovada lesão ao erário.

Perceba que a dispensa indevida da licitação não tem como configurar sozinha a lesão ao erário.

Há a pressuposição de que, em uma dispensa indevida de licitação, a Administração pague mais caro do que pagaria em uma concorrência licitatória.

Mas o prejuízo ao patrimônio público precisa ser comprovado para haver de fato improbidade administrativa.

Apenas em restando comprovado que a dispensa indevida provocou prejuízo ao patrimônio público — de fato, a Administração pagou mais caro pelo produto — estará configurada a improbidade administrativa por lesão ao erário.

Em não restando comprovada a lesão ao erário, não estará configurada a improbidade e não haverá sanção.

Embora não pressuponha enriquecimento ilícito, a lesão ao erário pode estar conectada a enriquecimento ilícito, por exemplo: o servidor recebeu dinheiro de uma empresa para que dispensasse indevidamente a licitação e permitisse a compra direta de um produto comercializado pela empresa por preço três vezes superior ao de mercado. Em casos assim, o servidor terá praticado lesão ao erário e enriquecimento ilícito.

Se fosse para sintetizar, eu diria que configuram lesão ao erário todas as condutas que:

  1. façam com que a administração pague mais, ou receba menos ou nada, por serviços ou bens;
  2. descumpram a formalidade dos atos públicos (dispensa indevida de licitação, por exemplo);
  3. permitam, facilitem ou ajudem alguém a enriquecer-se às custas do patrimônio público.

Mas, como nunca sabemos com que vamos nos deparar mundo afora, reproduzo abaixo os incisos do art. 10 (não é para ficar decorando isso: leia com atenção uma única vez):

I – facilitar ou concorrer por qualquer forma para a incorporação ao patrimônio particular, de pessoa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1º desta lei; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

II – permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica privada utilize bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1º desta lei, sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

III – doar à pessoa física ou jurídica bem como ao ente despersonalizado, ainda que de fins educativos ou assistências, bens, rendas, verbas ou valores do patrimônio de qualquer das entidades mencionadas no art. 1º desta lei, sem observância das formalidades legais e regulamentares aplicáveis à espécie; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

IV – permitir ou facilitar a alienação, permuta ou locação de bem integrante do patrimônio de qualquer das entidades referidas no art. 1º desta lei, ou ainda a prestação de serviço por parte delas, por preço inferior ao de mercado; [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

V – permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou locação de bem ou serviço por preço superior ao de mercado;

VI – realizar operação financeira sem observância das normas legais e regulamentares ou aceitar garantia insuficiente ou inidônea;

VII – conceder benefício administrativo ou fiscal sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;

VIII – frustrar a licitude de processo licitatório ou de processo seletivo para celebração de parcerias com entidades sem fins lucrativos, ou dispensá-los indevidamente;

IX – ordenar ou permitir a realização de despesas não autorizadas em lei ou regulamento;

X – agir negligentemente na arrecadação de tributo ou renda, bem como no que diz respeito à conservação do patrimônio público;

XI – liberar verba pública sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular;

XII – permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente;

XIII – permitir que se utilize, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta lei, bem como o trabalho de servidor público, empregados ou terceiros contratados por essas entidades. [essencialmente, constam do art. 1º todos os entes públicos imagináveis.]

XIV – celebrar contrato ou outro instrumento que tenha por objeto a prestação de serviços públicos por meio da gestão associada sem observar as formalidades previstas na lei;

XV – celebrar contrato de rateio de consórcio público sem suficiente e prévia dotação orçamentária, ou sem observar as formalidades previstas na lei.

XVI – facilitar ou concorrer, por qualquer forma, para a incorporação, ao patrimônio particular de pessoa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valores públicos transferidos pela administração pública a entidades privadas mediante celebração de parcerias, sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;

XVII – permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica privada utilize bens, rendas, verbas ou valores públicos transferidos pela administração pública a entidade privada mediante celebração de parcerias, sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;

XVIII – celebrar parcerias da administração pública com entidades privadas sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;

XIX – agir negligentemente na celebração, fiscalização e análise das prestações de contas de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas;

XX – liberar recursos de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular.

XXI – liberar recursos de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular.

3) Violação dos princípios da administração pública (art. 11, Lei nº 8.429/1992)

A violação dos princípios da administração pública é o desrespeito a todo e qualquer princípios da administração pública — o que envolve os princípios gerais, os explícitos e os implícitos.

Relembre tudo sobre princípios administrativos:

o que são princípios administrativos;

classificação dos princípios administrativos;

princípios fundamentais: supremacia e indisponibilidade do interesse público;

princípios expressos: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência;

princípios implícitos: todos os 11.

Se fosse para sintetizar, eu diria que configuram violação aos princípios administrativas todas as condutas que… desrespeitam os tais princípios. Ao invés de ficar decorando o art. 10, tenho preferido compreender os princípios administrativos.

Mas, como nunca sabemos o que está por vir, reproduzido abaixo os incisos do art. 10:

I – praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto, na regra de competência;

II – retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício;

III – revelar fato ou circunstância de que tem ciência em razão das atribuições e que deva permanecer em segredo;

IV – negar publicidade aos atos oficiais;

V – frustrar a licitude de concurso público;

VI – deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo;

VII – revelar ou permitir que chegue ao conhecimento de terceiro, antes da respectiva divulgação oficial, teor de medida política ou econômica capaz de afetar o preço de mercadoria, bem ou serviço.

VIII – descumprir as normas relativas à celebração, fiscalização e aprovação de contas de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas.

IX – deixar de cumprir a exigência de requisitos de acessibilidade previstos na legislação.

4) Concessão de benefício financeiro ou tributário indevido (art. 10-A, Lei nº 8.429/1992 c/c art. 8º-A, Lei complementar nº 116/2003)

A concessão de benefício financeiro ou tributário indevido ocorre quanto o governo municipal ou distrital:

  1. fixa alíquota de ISSQN inferior a 2% (benefício tributário indevido);
  2. concede isenções, incentivos ou benefícios que resultem de alguma forma em uma alíquota de ISSQN inferior a 2% (benefício financeiro).

O ISSQN, também abreviado como ISS, é o Imposto sobre serviço de qualquer natureza, da competência dos Municípios e do Distrito Federal.

Trata-se de uma improbidade, portanto, que só pode ser praticada por Prefeitos e pelo Governador do Distrito Federal, conluiados ou não com agente privado desligado da Administração Pública.

Seu núcleo está no desrespeito à alíquota mínima de 2% do ISSQN, mas — como não poderia deixar de ser — há exceções.

Pode haver alíquota de ISSQN menor nos seguintes casos:

  1. execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de construção civil, hidráulica ou elétrica e de outras obras semelhantes, inclusive sondagem, perfuração de poços, escavação, drenagem e irrigação, terraplanagem, pavimentação, concretagem e a instalação e montagem de produtos, peças e equipamentos (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador de serviços fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS);
  2. reparação, conservação e reforma de edifícios, estradas, pontes, portos e congêneres (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador dos serviços, fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS);
  3. serviços de transporte coletivo municipal rodoviário, metroviário, ferroviário e aquaviário de passageiros.

Esse tipo de improbidade é uma inovação, foi criado pela Lei Complementar nº 157/2016, a qual inseriu o art. 10-A na Lei Ordinária nº 8.429/1992 (Lei de Improbidade Administrativa).

Eu lhe pergunto: se foi implantado por lei complementar em uma lei ordinária, pode o art. 10-A ser alterado por lei ordinária?

A resposta é: Sim.

Por previsão constitucional (art. 37, § 4º, CF88), improbidade administrativa é um tema regulado por lei ordinária.

O art. 10-A, inserido na Lei de Improbidade Administração pela Lei complementar nº 157/2016, é, por isso, formalmente complementar, mas materialmente ordinário.

Dispositivos legais formalmente complementares, mas materialmente ordinárias, podem ser alterados por leis ordinárias (STF, RE 377.457/PR, relator ministro Gilmar Mendes, Tribunal Pleno, DJe-241  19.12.2008).

Dica de leitura:

“Breves considerações sobre novo ato de improbidade incluso na Lei 8.429/1992”, de Rafael Carvalho Rezende Oliveira (Conjur, 2017).

Saiba tudo de improbidade administrativa:

Aproveite que você está por aqui e assine o boletim exclusivo dos leitores do blog.